O presidente francês Emmanuel Macron está preparando um plano para lutar contra o “comunitarismo” de vertentes radicais, principalmente islâmicas, visando a ideia de um “manual da laicidade” contra o que chama de “separatismo religioso”.

Na visão de Macron, os grupos mais radicais devem se sujeitar aos valores da sociedade francesa, como regras de reciprocidade, direitos e deveres dos cidadãos.

Mas o chefe de Estado não deixa claro sua visão sobre o tema.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADESegundo informações de “Le Parisien” e “Le Figaro”, Emmanuel Macron não estaria satisfeito com as propostas apresentadas e por isso convocou prefeitos de dez cidades francesas para uma reunião no Palácio do Eliseu.

Com o suposto objetivo de combater o radicalismo islâmico, o governo francês quer aumentar o controle do Estado aos cultos religiosos e pretende ouvir líderes muçulmanos para definir ações eficazes, além de juridicamente e politicamente viáveis.

A organização dos cultos deve ser um dos pontos a ser debatido, pois assim seria possível combater, supostamente, a onda de pregadores salafistas, que já serviram para recrutar jovens franceses para atuarem em grupos como o Estado Islâmico.