Condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva viajou na tarde desta terça-feira (11) para Roma, na Itália, onde deverá se encontrar com o papa Francisco no Vaticano.

Para conseguir o benefício, Lula teve de recorrer a Justiça de Brasília, que adiou uma audiência pela Operação Zelotes, convocada para que ele prestasse esclarecimentos a Justiça.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADEO encontro entre Lula e o pontífice católico foi intermediado pelo presidente da Argentina, Alberto Fernandez, com o objetivo de reforçar a narrativa do líder petista de que estaria sofrendo perseguição política através do Judiciário.

A viagem de Lula gerou críticas nas redes sociais, já que ele saiu da cadeia através de uma manobra do Supremo Tribunal Federal (STF), que reviu decisão de prender condenados em segunda instância.

A defesa de Lula encaminhou a solicitação ao juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, informando a Justiça que o condenado realizará viagem internacional para o Vaticano, onde deve se encontrar com o líder da Igreja Católica.